sexta-feira, 10 de agosto de 2012

BMW Série 1M: a síntese do puro prazer de dirigir

BMW Série 1M: a síntese do puro prazer de dirigir:
A divisão Motorsport da BMW tem mais de trinta anos de história. A brincadeira começou nas pistas e foi ganhando as ruas de forma definitiva a partir da década de 80. A ideia de esportividade com cavalaria de sobra debaixo do capô caiu no gosto dos fregueses antigos e novos.

A primeira geração do M3, por exemplo, pode ser considerada um marco importante. Compacto, leve e divertido de guiar se tornou uma referência e um exemplo da capacidade da divisão M de produzir sonhos de consumo em escala industrial.
Com o passar dos anos e das gerações o carro cresceu de tamanho, recebeu motores maiores e chegou ao atual estágio, com um V8 de 414 cv debaixo do capô. Muitos puristas torceram o nariz para essa configuração mecânica, mas a verdade é que ele continua sendo um dos melhores esportivos do planeta.
E foi pensando exatamente nesse nicho que a marca desenvolveu um produto novo. A Série 1M Coupe foi apresentada no Brasil no mês de junho do ano passado e agradou logo de cara pelo estilo e comprometimento com o puro prazer de dirigir. A matéria da época pode ser vista aqui.
A ideia da BMW seguiu à risca a proposta da M3 original. Um modelo compacto, com estilo diferenciado, rodas de 19 polegadas e conjunto mecânico capaz de agradar até o mais cético dos gearheads. O motor de seis cilindros foi escolhido – o da E30 era de quatro – porém com duas turbinas.
Mas para conhecer todos os detalhes eu precisava ficar mais perto e mais tempo a bordo do pequeno foguete. Isso aconteceu durante quatro dias na semana passada. Apenas três tonalidades foram colocadas à disposição do consumidor: branco, ferrugem e preto.
A primeira sensação é auditiva. Pressionando o botão Start/Stop o ronco grave invade o habitáculo. Uma melodia alemã que agrada os ouvidos e estimula os sentidos mais primários. A transmissão é manual de seis marchas e a embreagem é um pouco mais dura do que o convencional. Aliás, isso é algo que eu tinha notado na geração E46 da M3 (em breve um novo vídeo).
O motor, como foi dito, tem seis cilindros em linha, duas turbinas (uma para baixas e outra para altas rotações) e injeção direta de combustível. São 340 cv treinados para galopar com força e manter o motorista colado no banco. Durante o overboost o torque de 45,9 kgfm salta para 50 kgfm.
Com o propulsor aquecido e os freios na temperatura certa escolhemos um semáforo para botar as sensações à prova. A rua bem tranqüila estava vazia e, assim que o verde apareceu, pé embaixo. Ele partiu sem estardalhaço e na troca de marchas destracionou, o mesmo acontecendo na segunda para terceira. É, o pequeno surpreende.
O botão M do lado direito do volante aciona o “M Dynamic Mode”, uma programação mais permissiva que deixa o motorista à vontade para brincar um pouco. Nesse ponto a mudança de marcha acompanhada de um movimento leve no volante já faz a traseira escorregar de forma nervosa e o escapamento com quatro saídas urrar pela reta. Algo único.
A partir desse vídeo implementamos algo que os leitores devem achar interessante. Muitos deles, inclusive, haviam pedido algo assim. A “visão em 1ª pessoa” permite a exploração um pouco mais detalhada do interior e algumas características próprias de acabamento, itens de série e opcionais.
O mais legal de ficar quatro ou cinco dias é que podemos colocar em prática algumas coisas que não faríamos com esse tipo de carro, como ir ao supermercado em dia de semana. Ainda farei uma matéria a bordo de um deles focada especificamente nisso. Até a próxima!
Exemplar cedido pela BMW do Brasil




E aê, será que a gente consegue sobreviver???